Radio Yorùbá

Aqui só toca curimba!

Faixa Atual

Título

Artista

Background

Em Minas, exposição online conta história dos 55 anos do primeiro concurso Miss Travesti

Radio Yorubá
Radio Yorubá
Em Minas, exposição online conta história dos 55 anos do primeiro concurso Miss Travesti
Loading
/

Após sete anos de proibição, em novembro de 1966, enfim, travestis realizaram seu concurso de beleza
Rafaella Dotta

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG) | 06 de Janeiro de 2022 às 17:40

Está em cartaz no portal do Museu Bajubá uma exposição fotográfica e histórica do primeiro concurso Miss Travesti de Minas Gerais. Realizado em Belo Horizonte em novembro de 1966, o desfile marcou a resistência LGBTI+ num período em que a comunidade era abertamente reprimida pelo governo militar, pela polícia e pela mídia.

A exposição “Entre gritinhos e emoções – 55 anos de Miss Travesti Minas Gerais em Belo Horizonte” conta com oito salas virtuais com fotos, recortes de jornais e textos explicativos.

Ao longo da visitação, o internauta conhece como foram as tentativas da realização do concurso de 1950 a 1964; tem acesso a uma sala específica sobre a “Censura”; e pode visitar as salas do Miss Travesti de 1966, 1967, 1968 e sobre a vencedora da primeira edição, Sofia de Carlo.

Sete anos de tentativas

O Miss Travesti de novembro de 1966 foi o primeiro a conseguir autorização oficial da Polícia Civil. Porém, a população LGBTI+ da capital mineira já vinha há mais tempo fazendo a prática da montação e organizando concursos de forma clandestina.

Luiz Morando, pesquisador sobre memórias LGBTI+ de Belo Horizonte e curador da exposição, explica que a prática de “fazer o travesti”, como se dizia na época, já era muito comum a partir do fim dos anos 1950. Na cidade, as tentativas de realizar um concurso Miss Travesti aconteceram desde 1959, mas sempre foram oficialmente impedidas pela polícia.

“Isso mostra a atenção constante da Polícia Civil para proibir a realização de formas de sociabilidade por parte de homossexuais, travestis, lésbicas, mas por outro lado, mostra que sempre houve essas formas de sociabilidade”, relata o pesquisador. Ele destaca que a população LGBTI+ tem uma história, de comunidade, de agregação e de fortalecimento de sua identidade.

 

“Conhecer a história do primeiro Miss Travesti leva a gente a compreender um pouco mais sobre essa identidade de gênero (travesti) e essa prática de performance teatral que se aproxima do que hoje designamos Drag Queen, de ‘fazer o travesti’”, completa.

Para acessar

Exposição “Entre gritinhos e emoções – 55 anos de Miss Travesti Minas Gerais em Belo Horizonte”: Clique aqui

Em cartaz no Museu Bajubá (online) até 31 de março de 2022.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Larissa Costa