Radio Yorùbá

Aqui só toca curimba!

Faixa Atual

Título

Artista

Background

Intolerância religiosa em escola municipal.

Escrito por em 26/07/2022

Após suposto caso de intolerância religiosa, escola municipal suspende atividades em Lauro de Freitas
Familiares das adolescentes informaram que elas foram impedidas de voltar à unidade escolar por conta de ameaças
26/07/2022 às 12h54

Foto reprodução da internet.

As atividades de uma escola municipal da cidade de Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador, foram suspensas na segunda-feira (26), após um suposto caso de intolerância religiosa. A situação chamou atenção da comunidade escolar quando duas adolescentes candomblecistas foram expostas pelos colegas e funcionários; e – segundo a familiares – proibidas de acessar à Escola Municipal Dois de Julho, no bairro de Itinga.

De acordo com informações do pai das jovens, em entrevista à TV Aratu, ele foi acionado pela direção da instituição sob o motivo de que uma das filhas não estava se sentindo bem na sexta-feira (22). Ao chegar a unidade, ele se deparou com as jovens no corredor e alunos chorando e se jogando ao chão.

“Quando eu cheguei na escola, vários alunos estavam chorando, se jogando no chão; e minhas filhas estavam no corredor. Me disseram que elas foram para o banheiro, mas, quando eu cheguei ao banheiro, tinham vários funcionários orando. No corredor, tinham várias mães, vários alunos apontando para as minhas filhas, dizendo que elas estavam com o demônio”, explicou ele.

Sem entender ao certo o que tinha ocorrido, o diretor da unidade o convocou e explicou que ele e as filhas não poderia retornar para o colégio por conta de ameaças. “Ele me informou que eu tinha que procurar outra escola para colocar minhas filhas, por que aqui, nessa escola, elas estão sofrendo ameaças”, pontuou o pai.

Familiares de outros alunos explicaram que receberam informações de que as garotas tinham realizado, no banheiro, um rito religioso, intitulado como “seita demoníaca”. E que essa situação tinha atingido outros estudantes. Os familiares das adolescentes negam o ocorrido. “Não vi nenhum tipo de seita. Aqui na escola, não teve nenhuma ritualística de Candomblé. O que teve foram alunos dizendo que estavam com espírito entre eles mesmos”, disse.

Ao site Metro1, o professor da escola confirmou a versão do pai das meninas. “Eu estava lá na sexta-feira e não foi nada daquilo que estão falando, confundiram muita coisa, houve muita distorção. Tivemos aula normal e uma das alunas da escola é seguidora de uma religiao de matriz africana, passou por um ritual de iniciação e ela manifestou isso na aula. Como a gente trabalha com um público de 10 a 18 anos, alguns alunos mais novos não compreenderam aquilo e se assustaram”, conta.

O que diz à Prefeitura

O iBahia entrou em contato com a Prefeitura de Lauro de Freitas e em nota, através da a Secretaria Municipal de Educação de Lauro de Freitas (SEMED), foi informado que uma sindicância foi instituída para apurar e ouvir estudantes, pais e profissionais da escola Escola Municipal 2 de Julho sobre o ocorrido.

A SEMED disse ainda que as aulas só foram suspensas na segunda (25). Nesta terça (26), as atividades já tinham sido retomadas, com a presença “da guarda, que deve ficar até sexta, e também com acolhimento de profissionais da Semed”

Na sexta-feira (22), dia do incidente, os estudantes que não se sentiram bem foram encaminhados para a emergência da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itinga, que fica ao lado da escola, e logo após o atendimento médico foram liberados, finalizou o comunicado.

Vale ainda pontuar que as estudantes estudam pelo turno vespertino e a Prefeitura ainda não sabe se as adolescentes irão à instituição ou não.

Redação iBahia

Esta mesma notícia tocou em nossa rádio ouça abaixo!

Intolerância religiosa em escola municipal


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *