Angeline Tubbs , também conhecida como A Bruxa de Saratoga , foi uma figura semi-lendária que viveu na área de Saratoga Springs, Nova York, nos anos 1700 e 1800.

Ela veio da Inglaterra quando tinha quinze anos. Ela estava noiva e prestes a se casar com um oficial britânico. Ele veio lutar contra os rebeldes na América, e ela esteve ao lado dele na longa viagem e durante as dificuldades dos tempos de guerra.

Ela era linda naquela época, com olhos negros penetrantes e cabelos longos e esvoaçantes. E no verão ou no inverno ela enrolava seu xale vermelho. Talvez tenha sido o seu oficial britânico quem o deu a ela.

Foto Reprodução Internet – Angeline Tubbs, a Bruxa de Saratoga

Após a Batalha de Saratoga, ele a abandonou. Quando as tropas britânicas marcharam para o sul em direção a Albany, ela foi deixada para trás em um país estrangeiro. Ela caminhou sozinha de Stillwater, onde a batalha ocorreu, através da floresta até Saratoga Springs. Naquela época não era uma cidade, apenas lugares pantanosos e rochosos, com lobos e ursos por toda parte e nunca um homem para protegê-la ou alguém para lhe fazer companhia.

Ela morava perto do que hoje é a rota 9, ao norte de Saratoga, no sopé de uma colina que eles chamam de Monte Vista – ou Colina de Angeline. Ela construiu para si uma cabana humilde. E ela caçava animais da região para se alimentar. Verão ou inverno, sol ou chuva, ela subia as colinas rochosas e andava com vários gatos que a acompanhava. E por muitos anos viveu ali, ao norte da vila de Saratoga Springs ergue-se um promontório rochoso – chamado “Monte Vista” – cujas massas cinzentas pairam carrancudas sobre um vale abaixo.

Por muitos anos, Tubbs viveu lá em uma cabana cercada por uma ninhada de gatos. Ela desenvolveu uma reputação de bruxa e ganhava a vida lendo fortunas e armadilhas. Stone fornece a seguinte descrição: Se ela fosse dona dos redemoinhos, não poderia ter ficado mais encantada com as tempestades. Ela tinha sido vista, sua forma ereta e com os braços estendidos, à beira de terríveis precipícios, no meio das mais terríveis tempestades, conversando, por assim dizer, com espíritos invisíveis, seus longos e emaranhados cabelos balançando ao vento, enquanto o trovão agitava as rochas sob seus pés, e o relâmpago vermelho a cercava como se fosse um lençol de chamas.

Alguns dizem que ela nunca mais foi a mesma após ser abandonada. Ela certamente não era uma mulher bonita quando os habitantes da cidade de Saratoga a conheceram. Ela se tornara uma velha enrugada com nariz adunco.

Foto reprodução Internet – Garrafa de Bruxa usada para afastar Bruxas da localidade.

Alguns disseram que ela havia sido presa logo no início e condenada à forca. Diziam que o enforcamento falhou e que o laço deixou nela para sempre a sua terrível marca, roubando-lhe a beleza. Mas nenhum jornal que encontrei disse que isso aconteceu.

Ela estava em Saratoga quando George Washington visitou High Rock Springs, embora nunca tenha vindo visitá-la. E ela estava em Saratoga quando Gideon Putnam, o fundador da cidade, construiu sua taverna.

Sra. Putnam, nora de Gideon Putnam, fez amizade com ela. Mas a maioria das pessoas respeitáveis ​​a evitava, ria dela e afastava os filhos pequenos da velha resmungona de xale vermelho. Certa vez, as pessoas da cidade zombaram dela e riram dela quando ela compareceu a uma reunião de oração, e ela fugiu, envergonhada.

Quando ela ficou velha demais para capturar e caçar, ela começou a vir à cidade para mendigar ou ler a sorte por alguns centavos. Muitas fortunas se tornaram realidade, disseram alguns. E essas mesmas pessoas acreditavam que ela era realmente uma bruxa.

Certa vez, William Stone e o reverendo Francis Wayland pararam na Crabb’s House em Bear Swamp, a leste da cidade. Crabb desenhou os signos do zodíaco no chão com um pedaço de carvão. Ele estava parado no meio segurando uma caveira em uma mão e uma haste de hamamélis na outra. Ele tinha pequenas fogueiras acesas ao seu redor. Perto dali, Angeline Tubbs estava de joelhos abrindo um sapo.

Angeline Tubbs, a Bruxa de Saratoga – Foto Reprodução Internet

O velho Crabb estava dizendo: “Você vê? Você vê? É claro como o dia se você souber o que procurar. Aquele tremor na pata traseira do sapo? Bem, esse é o sinal que estávamos esperando. Você viverá tanto quanto cada um de seus gatos. E se eu fosse você cuidaria bem deles, porque quando o último morrer, você também morre. Não tenho mais nada a dizer, exceto que você me deve o que prometeu.”

William Stone escreveu sobre isso em seu diário em 1826, então imagino que seja verdade.

E Angeline Tubbs envelheceu cada vez mais.

Ela viu a cidade enriquecer e viu os turistas ricos em suas carruagens elegantes.

Parece que ela não se importava com o desprezo das pessoas da cidade. Certa vez, um fotógrafo viajante tirou uma foto dela e chamou-a de “A Bruxa de Saratoga”. Ela vendeu cópias aos turistas e ganhou algum dinheiro. Mas se ela estava envergonhada ou orgulhosa, ninguém sabia. Ninguém perguntou.

As pessoas muitas vezes afirmavam ter visto uma mulher em Mount Vista, Angeline’s Hill, parada na beira de um penhasco, com os braços estendidos, os cabelos esvoaçando ao vento, um manto vermelho voando no meio de tempestades terríveis, relâmpagos ao seu redor. . Ela parecia estar conversando com os espíritos da tempestade. E a mulher certamente era a própria Angeline Tubbs.

Um por um, seus gatos morreram, todos vinte ou mais. E quando o último gato morreu, ela morreu também. Não em sua própria casa, mas em um asilo para pobres, em 1865. Segundo suas próprias contas, ela tinha 104 anos.

Foi anos mais tarde, em 1932, quando a era dourada era uma memória e apenas os historiadores locais se lembravam de Angeline, que um homem chamado Ben Carradine passou uma temporada em Yaddo, aquele retiro especial para escritores e outros artistas nos arredores da cidade. Perto do pequeno lago por ali, no início da noite, ele ficou aterrorizado ao ver dois espíritos fantasmagóricos, um de uma jovem e o outro de um homem caminhando ao lado dela com uma jaqueta militar vermelha brilhante. A jovem parecia terrivelmente infeliz. Outros apenas riram de Ben Carradine por ser um idiota, pensando que via fantasmas.

Anos mais tarde, na primavera de 1955, ele estava visitando Saratoga mais uma vez, vindo de sua casa em Ohio. Ele estava dirigindo para o norte da cidade e parou para admirar o pôr do sol. Ele até saiu do carro e começou a subir um morro, o morro de Angeline. No meio do caminho, uma tempestade rápida se abateu sobre ele. Ele procurou abrigo sob uma rocha saliente.

Ele estava na escuridão, sob a chuva, quando um relâmpago iluminou o topo da colina onde ele havia buscado refúgio no meio da descida. Uma figura solitária estava parada na saliência de pedra no topo, recortada contra o céu. Ela ficou ereta, os braços estendidos para o céu furioso. Seus longos cabelos e sua capa molhada esvoaçavam atrás dela. E ele ouviu seu grito agudo acima dele. Outro raio iluminou a mulher. Ela gritou repetidas vezes enquanto os relâmpagos brilhavam, os trovões estalavam, a chuva caía e o vento uivava. Finalmente as nuvens se afastaram, os gritos cessaram e a mulher desapareceu.

Você pode acreditar que Ben Carradine era apenas um aspirante a escritor maluco, que provavelmente inventou tudo. Talvez sim. Mas muitos de nós em Saratoga suspeitamos que Ben Carradine tinha visto o fantasma de Angeline Tubbs, uma mulher mais à vontade com os elementos furiosos do que na cidade que não conseguiu confortar ou proteger a sua própria alma perdida.

Por Redação.

Add Your Comment

Radio Yorùbá ©. All rights reserved.